terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Epifania Desconcertada!

   A clara permanência desse corpo dito limpo, dessa essência tratada como pura, e desse  sentimento de amargura, me incomoda. Incomoda-me ao ponto de fazer-me em ímpeto buscar uma nova essência, que não seja perfeitamente pura, mas humana, despida de vergonhas. E quando todo esse desconforto tornar-se prazer, tudo seguirá de forma única, e, por conseguinte me formo em um novo turbilhão de hipóteses. Hipóteses que despendem o novo, inconstante e insustentável rumos, deixando do turbilhão, apenas uma palavra: interrogação!
Sonhar eternamente é uma clara alternativa. Seria o mundo diferente sem a minha presença em disparada? O mundo ficaria em desconforto com o meu sapato velho sem caminhos? Choraria o velho porteiro sem o meu perfume no ar? Meu anelo desesperado, inclina minha alma febril de descobertas à tortura, será que a alguém eu cativei?
Pensamentos desvairados sem algum sentido, vértices desconexos, catarses por libertação, diminuta e imprudente insanidade mental. Loucura audaz, permissiva, assustadora, prazerosa, inquietante, recôndita sanidade, leva-me a macular meu ser. Uma travada batalha entre o que se se vive, e o que se estima viver; cansativa tortura por pensar que perecer é um futuro certo. Cabe das lamentações despejadas, uma alternativa, descubro ou abandono-me no ócio de minha essência! Um bom soldado protege-se da sua própria armadura, para que tenha a oportunidade de combater mundo afora.
HEIZ, Guilherme – Rio de Janeiro
DAVID, Denilson - São Paulo
25/01/2011

Eu e um novo amigo, excelente crítico literário, compusemos essa prosa poética. Em vermelho (Guilherme), em branco (eu)!

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Esqueça se ele (a) não te ama!

Esqueça..se ele não te ama
Esqueça..se ele não te quer
Não chore mais, não sofra assim...(Roberto Carlos)


Hoje é dia de dar um basta nesse sofrimento por alguém que não lhe quer!
Você já fez de tudo para conquistar alguém? Já se declarou direta ou indiretamente para o ser amado (a)?
Até será escravo (a) emocional de alguém? 
Até quando suplicará um pouco de atenção, até quando acordará de madrugada e ficará pensando nos momentos que tiveram ou que poderão ter?
          Prezado leitor (a) minha sugestão é para que você se ame mais, o amor próprio despojado de prepotência tem o poder de nos elevar, então se eleve!
 Caso você já fez de tudo para alguém e não obteve o retorno que esperou, pense o seguinte:
       “coitado (a), não soube o que perdeu”!
         Exatamente isso, temos a capacidade de dar amor, isso não garante que receberemos o retorno, mas se damos carinho, é porque o temos, faz parte de nossa essência e quem não recebe como deveria, ainda não evoluiu, não nos merece!
 Denilson

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

POR QUE MARILYN MOROE MORREU?

Marilyn Monroe ostentava o poder através de roupas glamorosas, da beleza indiscutível, da fama agregada a sua imagem, enfim, personificou o glamour em Hollywood.
Você já percebeu que muitas pessoas que se tornaram celebridade, se perderam em meio ao triunfo?
Poderia citar aqui uma lista de famosos brasileiros e estrangeiros que transformaram a glória alcançada em um inferno: Raul Seixas, Cássia Eller, Michael Jackson, Elvis Presley, dentre outros.
Você pensa que aquisição material, ascensão social é sinônimo de felicidade?
Caso você pensa dessa forma, tal pensamento indica necessidade de urgente mudança.
Penso que Marilyn Moroe e tantos outros artistas não souberam cristalizar em sua personalidade as coisas essenciais da vida, o apreço pela simplicidade, a valorização indispensável da essência invisível foram substituídas pela busca desenfreada do prazer imediato, pelo cuidado obstinado com a beleza e a conquista exterior, o SER foi substituído pelo TER.
Marilyn Moroe, a grande musa, morreu pela sobredose de calmantes e barbitúricos, como tantos famosos, como outros que estão no anonimato, mas que não cuidam da beleza interior e buscam resolver o sofrimento através das drogas, a artificialidade é tão presente, que buscam em substâncias externas, o que somente pode ser alcançado pela busca interior, pela percepção de quem é e do objetivo a si conferido!
Quando não cuidamos do nosso interior, certamente anulamos a felicidade, nos tornamos como animais irracionais e nunca nos damos por satisfeitos.
             Conquista sem maturidade e sabedoria é sinônimo de alcoolismo, dependência química, orgia, insensatez, solidão, por fim: MORTE!
E aí, que tal cuidar da sua essência?
            Denilson

domingo, 16 de janeiro de 2011

“Que os vossos esforços desafiem as impossibilidades, lembrai-vos de que as grandes coisas do homem foram conquistadas do que parecia impossível.” 
 Charles Chaplin

sábado, 15 de janeiro de 2011

Interiorização...

Hoje fiquei calado, resolvi transportar-me ao meu interior...
Sobre mim nuvens de incertezas e alguns focos de luz, mesclam-se...
Mesclam-se, abrem-se como aves fugitivas das suas perturbações !
Não me incomodo de sentir o chão, eles estão distintos aos meus pés, que por ele, é sustentado!
É tudo assim...intrigante...como minha existência!
Não me vejo como sou, estendo-me além horizonte...
Águas agitam-se, por sua misteriosa forma...
Vou levando, cada passo incessante, sem medo do futuro, pois hoje...
Resolvi transportar-me ao meu interior!
Denilson

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Nostalgia!

Ah,  esse passado, nostálgico...
Esse cenário em preto e branco...
Essa noite sem estrelas,
Essa distância quilométrica...
Corrosiva dor, inexplicável fonte de fel,
Oh, céus...Descortinai os astros,
Colori a vida com seus regaços de felicidade,
Reduzi a tormenta!
Denilson

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Pássaros Feridos!

  "Existe uma lenda acerca de um pássaro que só canta uma vez na vida, com mais suavidade que qualquer outra criatura sobre a terra.
  A partir do momento em que deixa o ninho, começa a procurar um espinheiro-alvar, e só descansa quando o encontra.
  Depois, cantando entre os galhos selvagens, empala-se no acúleo mais agudo e mais comprido.
   E, morrendo, sublima a própria agonia e despede um canto mais belo que o da cotovia e o do rouxinol.
  Um canto superlativo, cujo preço é a existência. Mas o mundo inteiro para para ouvi-lo, e Deus sorri no céu.
  Pois o melhor só se adquire à custa de um grande sofrimento... Pelo menos é o que diz a lenda.
  O pássaro com o espinho cravado no peito segue uma lei imutável; impelido por ela, não sabe o que é empalar-se, e morre cantando.
  No instante em que o espinho penetra não há consciência nele do morrer futuro; limita-se a cantar e canta até que não lhe sobra vida para emitir uma única nota.
  Mas nós, quando enfiamos os espinhos no peito, nós sabemos. Compreendemos. E assim mesmo o fazemos...



         Esse trecho é extraído da obra  “Pássaros Feridos” de Collen McCullough, pessoal, assistam ao vídeo do filme abaixo, prestem atenção nas palavras, vale a pena:


                             Abraços!

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Além de Mim!


Queria expandir minh'alma, além de mim, algo abrangente, que me transpusesse além das inutilidades vividas,
Vivenciar experiências que por si mesmas falassem:
Claridade, escuridão, névoa, imensidão...
Desejo abrir as asas do meu ser, e num voo errante, relacionar-me com o universo...
Sensações únicas, percebidas, sobrepostas em mim, extirpando aquilo que não quero sentir...
Nesse desejo desesperado, não me sinto ilimitado, na minha fantasia, tudo brilha, tudo é alcançado!
Brilhante estrela seduzida, não pelas incertezas vividas, mas pelo querer consciente,
Querer evoluir minh'alma, além de mim...
Denilson

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Na busca do relacionamento, cuide de seu corpo, mas modele sua essência!


Quem nunca se perguntou de onde surge o amor, a paixão?
De repente, não mais que de repente (risos) nos vemos apaixonados, aflorados por um sentimento misterioso, mas podemos nos perguntar por que apaixonamos logo por alguém que não segue um padrão de beleza, ou de  princípios concernentes aos nossos?
A Ciência vem tentando desvendar o mistério, com explicações mirabolantes desse enigmático sentimento, utilizando-se de diversas terminologias para descrever por que nos apaixonamos, acredito que por detrás dessa pergunta haverá sempre uma interrogação, creio que isso se desencadeia pelo subjetivismo!
Já conheci pessoas lindas fisicamente, mas bastou um tempo de conhecimento, para que não me interessasse e nem sonhasse em relacionar-me com essas.
Nessa era da ditadura da beleza em que vivemos, as pessoas buscam corpos perfeitos, mulheres magras, bem modeladas, homens musculosos, abdômen  tanquinho, e assim esquecem-se da essência, daquela combinação formidável, subjetiva, daquele humor inteligente, jeito de olhar, timbre de voz, sorriso, enfim, daquela personalidade que atrai como ímã, pela especialidade que a outra pessoa tem.
O sex appeal para mim é inexplicável, está atrelado à individualidade do outro, à essência e não somente ao corpo.
Então, cuide de seu corpo sim, mas modele sua essência, seu lado interessante, criativo, simpático, empático, misterioso e transparente!

Denilson

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Enlace, desenlace!


Deixe-me só, como os pássaros sem ninho, em noites enluaradas,
não quero tê-la por sua piedade,
Apenas leve de mim o gosto amargo de ter te conhecido, em minha liberdade.
Não supra meu vago desejo de enroscar meus lábios aos teus,
Não desespere a necessidade absurda que tenho em ouvir tua voz!
Quero o abandono de teu sentimento, quero, somente quero, poderia matar-me de dor essa vontade!
Que se esfacele em chamas o ardor de querer-te!
Para sempre, seja anuída essa vontade em conformidade aos teus atos!
Haja consentimento do misterioso destino de ter te encontrado!
Basta, apaguemos as velas, chamas vãs, quer apenas consumir minha liberdade!
Desfaça com inexplicação o que sem explicação se iniciou, conserve para sempre o bem que em mim ficou!


                                                                        Denilson

domingo, 2 de janeiro de 2011

Tigres Mortos!


"Dentro de mim morreram muitos tigres.Os que ficaram, no entanto, são livres." (Lau Siqueira)
Nossa, quantos tigres de fato tive que matar para me encontrar...quantos problemas e até mesmo pessoas tiveram que "descer à sepultura" tão fria de minha memória. Neste "cemitério de tigres" coloquei um epitáfio que jamais retratasse saudade e sim indiferença, as flores que fazem jus à memória destes que dormem, sangram minha imparcialidade!!!
Denilson

Expiração

Minha dor cessou, afinal a cura do tempo pode me valer de alguma forma.
Todas as vezes que te idealizei, os anos em que meu coração por ti pulsou, a mistura dos sentimentos, desejos ardentes e latentes em lhe encontrar, poder tocar, reclinar sobre seu colo, minha vaga e rodeada cabeça, acorrentada por sua imagem.
O tempo se encarregou de fazer minguar, de uma forma suave, foi apagando aos poucos sua imagem, deixando-a distorcida, até por fim, descolori-la.
Os cordões que me atrelavam a ti, ficaram fracos, impotentes, romperam a ligação que havia, tudo cessou como chama que se apaga ao vento!
Denilson

sábado, 1 de janeiro de 2011

Nada é para sempre!

O título acima é uma paráfrase do filme a que assisti há muito tempo, embora  tenha considerado o enredo bem lento, esse filme me fez pensar muito na fugacidade do tempo.
O filme retratava a questão familiar, um casal e dois filhos (esses tinham o hábito de pescar com seu pai, desde criança)!
Reuniam-se para as refeições na mesa, agradeciam em oração pelo alimento dispensado, enfim, o filme abordou as diferenças de personalidade dos filhos, mesmo criados da mesma forma, mas o que me chamou mesmo a atenção foi a sequencia do tempo na existência, pois mostrava gradativamente os períodos existenciais, o crescimento dos filhos, as paixões, a perda dos pais, o término familiar pela morte!
Um dos irmãos, depois de velho, vai ao rio pescar, sozinho, pois todos morreram, sua mente é invadida pela lembrança de quando a família se reunia,quando ele , seu irmão e seu pai pescavam no mesmo lugar, seu coração parece então ser tomado pela saudade, pela maturidade e reconhecimento de coisas que só damos valor ao perdê-las, o final é comovente: no crepúsculo, somente um filho, à margem de um rio, com sua vara de pesca, suas lembranças e saudade, ele expõe, através das palavras abaixo, tudo o que sente:

“Mas, quando estou sozinho à meia luz, toda vida se desfaz, e sobram só minha alma, minhas lembranças e os sons do rio, um ritmo de quatro tempos e a esperança de pegar um peixe.
No final, tudo se funde numa coisa só e um rio a atravessa. O rio foi interrompido pelas enchentes e corre sobre as pedras do porão do tempo.
Algumas pedras são pingos eternos. Sob as pedras estão as palavras. E algumas palavras são delas”.

            A mensagem que pude extrair desse filme foi a valorização das coisas que muitas das vezes consideramos sem importância : a harmonia familiar, os lugares significativos, os princípios que nossos pais nos transmitem, tudo isso, deve ser aproveitado com muita intensidade, o tempo é efêmero, deixando-nos apenas as palavras, absorvidas em formas de lembranças, saudade...
 
                                                                                                                                            Denilson