quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Pássaros Feridos!

  "Existe uma lenda acerca de um pássaro que só canta uma vez na vida, com mais suavidade que qualquer outra criatura sobre a terra.
  A partir do momento em que deixa o ninho, começa a procurar um espinheiro-alvar, e só descansa quando o encontra.
  Depois, cantando entre os galhos selvagens, empala-se no acúleo mais agudo e mais comprido.
   E, morrendo, sublima a própria agonia e despede um canto mais belo que o da cotovia e o do rouxinol.
  Um canto superlativo, cujo preço é a existência. Mas o mundo inteiro para para ouvi-lo, e Deus sorri no céu.
  Pois o melhor só se adquire à custa de um grande sofrimento... Pelo menos é o que diz a lenda.
  O pássaro com o espinho cravado no peito segue uma lei imutável; impelido por ela, não sabe o que é empalar-se, e morre cantando.
  No instante em que o espinho penetra não há consciência nele do morrer futuro; limita-se a cantar e canta até que não lhe sobra vida para emitir uma única nota.
  Mas nós, quando enfiamos os espinhos no peito, nós sabemos. Compreendemos. E assim mesmo o fazemos...



         Esse trecho é extraído da obra  “Pássaros Feridos” de Collen McCullough, pessoal, assistam ao vídeo do filme abaixo, prestem atenção nas palavras, vale a pena:


                             Abraços!

4 comentários:

  1. Nossa, lindo, lindo, lindo esse post, está de parabéns ^^

    ResponderExcluir
  2. Amei primo, me faz lembrar os velhos tempos!!!

    ResponderExcluir
  3. Que bom Vi, um beijo em seu coração!

    ResponderExcluir